Destaque

de
  • Milho transgênico em favor do desenvolvimento

O milho representa cerca de 40% de toda a safra brasileira de grãos, e é a principal fonte de alimento energético para a produção de proteínas animais, como ovos, leite e carnes suína e de aves.

Devido à sua relevância na alimentação, a principal questão agronômica da cultura é o aumento da produção do grão. E só há dois caminhos: ampliar a área ou aumentar a produtividade, aplicando mais tecnologia à agricultura.

Em artigo, os pesquisadores da Embrapa Antônio Álvaro Corsetti Purcino e José Magid Waquil tratam da tecnologia Bt e de sua aceitação no Brasil. Neste primeiro ano de uso no País, a variedade resistente a insetos mostrou um aumento de 15% a 20% na produtividade. E além da redução das perdas diretas causadas pelas lagartas, diversos estudos comprovaram que há uma redução dos danos indiretos desses insetos.

Os pesquisadores falam ainda da norma de distâncias mínimas para plantio do milho Bt próximo de variedades convencionais, um conjunto de práticas agrícolas que permite aos agricultores a produção de grãos convencionais, transgênicos, orgânicos ou outros. A adoção dessas regras é fundamental para preservar a liberdade de escolha dos produtores, tanto pelo milho convencional quanto pelo milho transgênico.

Confira o artigo, na íntegra, no site do CIB:
http://www.cib.org.br/artigo.php


  • Células-tronco de porcos

Células-tronco

A pesquisa foi publicada nesta quarta-feira (3/6) no Journal of Molecular Cell Biology, novo periódico da Oxford Press. De acordo com a editora, as implicações são importantes, uma vez que o estudo pode levar à criação de modelos para doenças genéticas humanas e de órgãos animais próprios para transplante em humanos, além do desenvolvimento de animais resistente a doenças.

Lei Xiao, coordenador do laboratório de células-tronco do Instituto de Bioquímica e Biologia Celular de Xangai, e colegas induziram as células pluripotentes a partir do uso de fatores de transcrição de modo a reprogramar células extraídas da orelha e da medula espinhal de porcos.

Depois que o coquetel químico de fatores de reprogramação foi introduzido nas células por meio de um vírus, as células se desenvolveram em laboratório em colônias de células-tronco parecidas com as embrionárias. Testes confirmaram que elas eram capazes de se diferenciar nos tipos de células que compõem os três folhetos embrionários – endoderme, mesoderme e ectoderme –, uma qualidade de todas as células-tronco embrionárias.

Com as informações obtidas a partir da indução bem-sucedida de células pluripotentes, será mais fácil para os pesquisadores desenvolver células-tronco embrionárias originárias de porcos ou de embriões de outros ungulados.

“Células-tronco pluripotentes de porcos serão muito úteis de diversas formas, como produzir exemplares geneticamente modificados para uso em transplantes de órgãos para humanos. As espécies de porcos são consideravelmente semelhantes ao homem em sua forma e função, como nas dimensões dos órgãos”, disse Xiao.

“Podemos usar células-tronco embrionárias ou induzir células-tronco para modificar genes do sistema imunológico de porcos de modo a fazer com que o órgão do animal seja compatível com o sistema imune humano. Com isso, usaríamos esses porcos como doadores para fornecer órgãos para pacientes que não apresentarão rejeição”, apontou.

O artigo Generation of pig induced pluripotent stem cells with a drug-inducible system, de Lei Xiao e outros, pode ser lido por assinantes da Journal of Molecular Cell Biology em http://jmcb.oxfordjournals.org.

Link da notícia: Agência FAPESP

Departamento de Zootecnia
Universidade Federal de Lavras
TeleFax: 35.3829.1231
Caixa Postal 3037 | CEP 37200-000 | Lavras-MG
Email: dzo@dzo.ufla.br