:: Suinocultura do DZO/UFLA::

Suinocultura

Aumentar texto: a a a


GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE SUINOCULTURA DO DZO/UFLA

Equipe

  • Professores
Prof. Márvio Lobão Teixeira de Abreu Prof. Rony Antonio Ferreira Prof. Vinícius de Souza Cantarelli
  • Técnicos
Danilo


Telefones do Setor

35. 3829-1249
35. 3829-5278


História

A Escola Agrícola de Lavras fundada em 1908 teve como seu segundo curso de graduação a Zootecnia, criado em 1975 na então Escola Superior de Agricultura de Lavras (ESAL).

O Setor de suinocultura da ESAL iniciou suas atividades com animais confinados próximo à linha férrea, onde está hoje intalada a Incubadora de Empresas da UFLA. Em 1950 o setor realizou a importação do primeiro animal de raça pura, um DUROC, por intermédio de John Henry Wheelock, na administração de Alcebíades Guarita Cartaxo. Este animal foi o primeiro Duroc a ser importado por uma instituição pública no Brasil.

Por volta de 1963 houve a trasferência para as instalações do campus novo da ESAL. Sob o comando do prof. Márcio de Castro Soares, no setor de suinocultura eram criados animais das raças Duroc (DR), Landrace (LD), Large White (LW) e Pietrain (PT). Um dos projetos de pesquisa era utilizar as raças puras para produção de um tree-cross que fosse produtivo e apresentasse resistência para ser criado em piquetes e substituir o Piau. Na década de 2000 o rebanho chegou a cerca de 60 matrizes em ciclo completo, utilizando apenas híbridos comerciais. A meta atual é manter entre 20 e 25 matrizes no rebanho, com exemplares das principais raças puras (LW, LD, DR, PT) e híbridos comerciais utilizados no Brasil.

O setor de suinocultura da UFLA vem se preparando para acompanhar o atual crescimento e o grande potencial da suinocultura brasileira. Para tanto, em 2002 foi criado o NESUI (Núcleo de Estudos em Suinocultura), que é fundamental para o desenvolvimento das atividade de ensino, pesquisa e extensão que são desenvolvidas pelo setor de suínos.

Dentre as parcerias firmadas para melhorar as condições de pesquisa, em abril de 2006, uma parceria foi formada com um acordo de cooperação técnico-científico entre UFLA e TOPIGS, com o intuito de melhorar o padrão genético dos animais utilizados no setor de suinocultura. Esta parceria foi importante para o aprimoramento no ensino e na pesquisa do setor de suínos e formação dos estudantes.

O setor conta também com o apoio da FATEC nutrição e saúde animal, contribuindo para a manutenção do rebanho.

A Universidade Federal de Lavras, com 105 anos de tradição, vem colaborando com o crescimento do Brasil, gerando resultados e tecnologias que ajudam no desenvolvimento e sucesso do agronegócio. O setor de suinocultura da UFLA contribui com a boa formação de estudantes que serão agentes transformadores de processos relacionados à produção de suínos em diferentes regiões brasileiras. É com este pensamento, que a equipe do setor de suinocultura da UFLA, vem buscando melhorar as condições de ensino, pesquisa e extensão, para acompanhar e colaborar para o desenvolvimento da suinocultura no Brasil.

Chefes do Setor de Suinocultura da UFLA

Alfredo Scheid Lopes (1962-1964) Márcio de Castro Soares (1964-1990) José Augusto de Freitas Lima (1990-1994) Eduardo Pinto Filgueiras (1994-2008)
Elias Tadeu Fialho (2008-2010) Vinícius de Souza Cantarelli (2010-2012) Rony Antonio Ferreira (2012-2014)

Linhas de Pesquisa

  • Aditivos alimentares e suas respostas no desempenho, saúde intestinal e características de carcaça.
  • Ambiência e bem estar na suinocultura.
  • Avaliação de alimentos para suínos.
  • Nutrição funcional de matrizes suínas.


Galeria de Fotos

de


Voltar
Departamento de Zootecnia
Universidade Federal de Lavras
TeleFax: 35.3829.1231
Caixa Postal 3037 | CEP 37200-000 | Lavras-MG
Email: dzo@dzo.ufla.br